Após uma complicada fase inicial, um grande quadrangular semifinal e duas disputadas finais, o Sertãozinho se sagrou campeão do Paulistão A3. Ao todo o clube jogou 27 partidas, obtendo 14 vitórias, seis empates e sete derrotas. Entre os pontos positivos possíveis de se destacar na grande campanha do time comandado por Serrão, está o setor defensivo, segundo melhor da competição, atrás somente do Flamengo.

Foram apenas 20 gols sofridos. Uma média de 0,74 por confronto. A equipe de Guarulhos, que lidera a estatística, tomou dois gols a menos. Vale ressaltar que o Sertãozinho disputou duas partidas a mais: as finais do campeonato. Tamanha é a força defensiva, que em 13 oportunidades a equipe deixou o campo sem ser vazada.

A defesa do Sertãozinho considerada titular era composta pelo goleiro Márcio, o lateral-direito Nequinha, os zagueiros Fred e Alemão e o lateral-esquerdo Edu Pina. O miolo de zaga, aliás, recebeu grandes elogios do treinador Serrão. “É uma dupla sensacional. O Alemão quando eu cheguei estava encostado e se transformou no melhor zagueiro do campeonato. Ele fez uma grande final, é um jogador que tem nível para disputar a Série A1”, disse.

Com o encerramento do Paulistão A3 e sem participar da Copa Paulista, o Sertãozinho retorna aos gramados na próxima temporada, quando disputará o Paulistão A2 Itaipava.

Confira os números defensivos do G8

Flamengo – 18 gols sofridos – média de 0,72
Sertãozinho – 20 gols sofridos – média de 0,74
Matonense – 23 gols sofridos – média de 0,92
Rio Preto – 27 gols sofridos – média 1,00
São Carlos – 26 gols sofridos – média 1,04
Atibaia – 28 gols sofridos – média 1,12
Catanduvense – 30 gols sofridos – média de 1,2
Nacional – 33 gols sofridos – média de 1,32

Matéria: FPF – Federação Paulista de Futebol

Comentários

Deixe uma resposta